Metais importantes da indústria moçambicana (Al, Fe, Zn, Ag e Cu) Ocorrência, Obtenção e Aplicações


Introdução
No presente trabalho falarei dos metais importantes da indústria Moçambicana que são: O Alumínio (Al), o Ferro (Fe), Zinco (Zn), Ouro (Au), Prata (Ag) e Cobre (Cu).
Falarei também da sua ocorrência, obtenção e suas aplicações



Metais importantes da indústria moçambicana (Al, Fe, Zn, Ag e Cu): ocorrência, obtenção e aplicações

Alumínio (Al)

Ocorrência

O alumínio encontra-se, na Natureza, num minério chamado bauxite, que é um óxido de alumínio (Al2O3 * H2O) com impurezas de óxido de ferro.

Obtenção

Antes da extracção do metal, o óxido de alumínio é misturado com criolite (Na3AlF6), para baixar o ponto de fusão de 2000c para cerca de 950-1000c, o que faz diminuir os custos de produção. A mistura é então aquecida e o líquido fundido usado como electrólito.
Ambos os eléctrodos são de grafite (carbono):
·         O ânodo (+) é um eléctrodo de grafite;
·         O cátodo (-) é uma camada fina de grafite numa caixa de aço.
No cátodo – os iões positivos do alumínio (Al) são atraídos, captam electrões e transformam-se em átomos:
Al3+(l) + 3 e → Al (l)

No ânodo – os iões negativos do óxido são atraídos, oxidam-se (libertam electrões) e formam moléculas de O2:
2 O2-(l) + 3 e→ O2(g) + 4 e
O oxigênio libertado no ânodo reage com o carbono dos eléctrodos (grafite), libertando CO2, de acordo com a seguinte equação:
C(s)+ O2(g) → CO2(g)
Neste processo há desgaste dos eléctrodos de grafite.

Aplicação do alumínio

A utilização do alumínio é muito superior à utilização de qualquer outro metal, com excepção do ferro, tendo uma enorme importância na economia mundial.
O alumínio é largamente utilizado em indústrias que necessitam de material resistente, leve e facilmente moldável.

Algumas aplicações do alumínio:

·         Meios de transporte (automóveis, aviões, barcos, bicicletas);
·         Empacotamento (latas de bebidas, folha de alumínio utilizada nas embalagens de alimentos);
·         Construção civil (janelas, portas e decoração);
·         Máquinas (importante para equipamentos resistentes à corrosão);
·         Vários utensílios (ferramentas e utensílios de cozinha);
·         Aeronáutica (as amálgamas do alumínio com outros metais têm uma importância vital na construção de aviões e foguetões);

·         Sinais de trânsito;
·         Tratamento da água (usado como agente coagulante);
·         Brinquedos;
·         Medicina (antiácidos e alguns analgésicos);
·         Propelentes e explosivos;
·         Material dentário.


Ferro (Fe)

Ocorrência

Extracção do ferro dos seus minérios por redução.
O ferro aparece na Natureza sob a forma de muitos compostos, sendo, no entanto, a hematite (Fe2O3) um dos mais vulgares.

Como já se referiu, tanto o carbono como o monóxido de carbono são capazes de remover o oxigênio de compostos, pelo que são utilizados para reduzir os metais que se situam abaixo do carbono na série electroquímica, como é o caso do ferro.
O ferro aparece principalmente na hematite, podendo também ser obtido através da magnetite, da siderite, da limonite e da pirite.

Obtenção

Fonte de calor

A técnica de extracção do ferro utiliza um alto-forno, onde as matérias-primas introduzidas são basicamente três:


  • 1.      O minério de ferro, isto é, o material que contém o óxido (Fe2O3);
  • 2.      O calcário (rocha à base de carbonato de cálcio), cuja função básica é a remoção de impurezas;
  • 3.      O coque, que é o agente combustível e redutor.


O ar quente insuflado pelo fundo da fornalha é proveniente dos gases quentes que saem na parte superior, depois de destilado para obter produtos como o benzol, naftalina e outros, já que a energia térmica é cara e assim não há desperdícios.

O coque (carbono impuro) é queimado no alto-forno com o ar quente para produzir essencialmente monóxido de carbono e algum dióxido de carbono, em reacções extremamente exotérmicas. Estas reacções são a principal fonte de calor para o forno.

2 C(s) + O2(g) → 2 CO(g)
C(s)+ O2(g) → CO2(g)

A redução do minério
O monóxido de carbono é o principal agente redutor no alto-forno.
Fe2O3(s) + 3 CO(g) → 2 Fe(l) + 3 CO2(g)
Nas zonas mais quentes do forno o carbono pode também actuar como agente redutor:
Fe2O3(s) + 3 C(g) → 2 Fe(l) + 3 CO(g)
Às altas temperaturas do forno, o dióxido de carbono formado reage com o carbono para produzir mais monóxido de carbono.
C(s) + CO2(g) → 2 CO(g)

O ferro que sai do alto-forno, denominado ferro-gusa, contém elevados teores de carbono e de impurezas.
Após este processo, o gás ainda tem poder combustível e pode ser usado na própria siderugia ou distribuído para outros consumidores.




Aplicações do ferro
·         É o principal material na formação de estruturas de prédios, pontes e viadutos;
·         Em móveis e na decoração;
·         Nas obras de grande porte de escultores;
·         No fabrico de portões, grades e postes de iluminação em ferro fundido (liga de ferro com 2% ou 4% de carbono);
·         Ferramentas de inúmeras aplicações, pregos, parafusos, roscas, etc;
·         No nosso organismo – o ferro forma a hemoglobina do sangue, a qual transporta o oxigênio (O2) dos pulmões para o resto do corpo;
·         Os compostos de ferro têm aplicações muito diversas:
Ø  Tinturaria;
Ø  Fungicida;
Ø  Reveladores fotográficos;
Ø  Pigmentos, adsorventes e abrasivos;
Ø  Eléctrodos industriais.


Zinco (Zn)
Ocorrência
O zinco é encontrado, na Natureza, principalmente sob a forma de sulfuretos, associado ao chumbo, ao cobre, à prata e ao ferro (galena, calcopirite, argentite e pirite, entre outros). O minério de sulfureto de zinco está sujeito a grandes transformações na zona de oxidação, formando óxidos, carbonatos e silicatos. As mineralizações ocorrem, principalmente, nas rochas calcárias, que são hospedeiras usuais.
Os principais minerais de zinco são:
·         Blenda ou esfalerite (ZnS)
·         Willemite (Zn2SiO4)
·         Calamine ou hemimorfite (2 ZnO * SiO2 * H2O).
Obtenção
O zinco é classificado em duas grandes famílias: o zinco primário e o zinco secundário (obtido a partir de sucatas e resíduos).
O zinco primário representa 80,0% a 85,0% da produção actual, sendo o seu principal processo de produção o electolítico. Entre os metais não ferrosos, o consumo mundial de zinco só é superado pelos do alumínio e do cobre. Em alguns campos de aplicação, o alumínio e o plástico apresentam-se como substitutos do zinco.
A produção de zinco começa com a extracção do mineral, que pode ser realizada tanto a céu aberto como em jazidas subterrâneas.
Os minerais extraídos são triturados e, posteriormente, submetidos a um processo denominado flotação para a obtenção do mineral concentrado.
Os minerais com altos teores de zinco são tratados de dois modos: via seca e via húmida.

Via seca (pirometalurgia)
O concentrado é queimado (calcinação ou ustulação) para transformar o sulfureto em óxido (800c a 1000c), que recebe a denominação de calcina.
                                                        ZnS + 32O2 → ZnO + SO2                  
cH = -445 KJ/mol de ZnS
O óxido obtido é reduzido com carbono, produzindo o metal (o agente redutor na prática é o monóxido de carbono formado).
Via húmida
O minério é calcinado (ustulado) para a obtenção do óxido e, posteriormente, é lixiviado, que consiste na dissolução do óxido em ácido sulfúrico diluído, seguido de um processo de electrólise, em que o electrólito, rico em zinco e cátodos de alumínio, sendo periodicamente retirado para posterior fusão e transformação em placas.

O lixiviado obtido é purificado para a separação dos diferentes componentes, principalmente o sulfato de zinco. O sulfato é submetido a um processo de electrólise com ânodo de chumbo e cátodo de alumínio, sobre o qual se deposita o zinco, formando placas de alguns milímetros.
O zinco obtido é fundido e transformado em lingotes para a sua comercialização.

Como subprodutos são obtidos diferentes metais, como mercúrio cádmiro, ouro, prata, cobre e chumbo, em função da composição dos minerais. O dióxido de enxofre obtido na calcinação é usado para produzir o ácido sulfúrico utilizado na lixiviação. O excedente é comercializado.

Aplicações do zinco
O zinco, pela sua propriedade anticorrosiva, tem larga aplicação na:
·         Construção civil;
·         Indústria automobilística e de electrodomésticos;
·         Galvanização como revestimento protector de aços estruturais, folhas, chapas, tubos e fios por meio da imersão ou electrodeposição.
As ligas para fundição são utilizadas em:
·         Peças fundidas;
·         Electrodomésticos;
·         Indústria de material bélico e automobilístico.
Os latões e bronzes (ligas cobre-zinco com teores de zinco entre 5,0% e 40,0%) são usados em acessórios eléctricos e várias outras aplicações.
Os laminados têm como principal campo de aplicação as pilhas e baterias.
O óxido de pó de zinco são usados em:
·         Produtos químicos e farmacêuticos;

·         Cosméticos;
·         Borrachas;
·         Explosivos;
·         Tintas
·         Papel.
O zinco também é utilizado como ânodo para proteção catódica do aço ou do ferro.

Ouro (Au)
Ocorrência
O ouro distribui-se por toda a crusta terrestre, embora ocorra sempre em concentrações muito pequenas e na forma nativa.

Pode, no entanto, surgir associado à prata e a pequenas quantidades de cobre.

O ouro na forma nativa ocorre no lado e em depósitos aluviais.

Os maiores filões de ouro do mundo localizam-se na África do Sul, onde ocorrem misturados com depósitos de quartzo.

Por vezes, o ouro ocorre em pirites e pirrotites, podendo ser obtido como produto secundário na extracção do cobre, da prata, do chumbo, do zinco ou do níquel.

Embora em quantidades muito pequenas, o ouro também existe na água do mar, estimando-se que nos oceanos e mares de todo o mundo existam cerca de 70 milhões de toneladas deste elemento.

Os maiores produtores do ouro no mundo são a África do Sul, a Rússia, o Canadá, os Estados Unidos da América e a Austrália.

Obtenção
Sob o ponto de vista da extracção, as minas de ouro pertencem a dois tipos.
No primeiro tipo, as minas de rochas auríferas, geralmente localizada em filões, o teor do minério é da ordem de 6 a 12 g de ouro puro por tonelada de terra e rocha. A exploração desse tipo de mina pode ser feita a mais de três mil metros de profundidade. O segundo tipo, as minas de depósitos aluviais auríferos, é de exploração bem mais fácil. O trabalho faz-se por meio de dragas, sendo os teores de minerais mais baixos do que nas minas do primeiro tipo.

Na exploração de veios subterrâneos (filões)

·         O metal é triturado, lavado e submetido à amálgama, processo que consiste na mistura dos grânulos de ouro com mercúrio em placas de cobre, para separá-los da ganga;
·         O metal puro é obtido por destilação da amálgama;
·         Noutros casos, esta última fase é substituída pela reacção do ouro com cianeto de sódio, com posterior precipitação do metal puro por reacção com zinco ou alumínio.

Nas areias de aluvião
·         A massa arenosa fina passa por calhas transportadoras equipadas com desbastadores e chega a coadores com fundo revestido de veludo filetado;
·         Também se podem utilizar as mesas de balanço e eventualmente flotação;
·         O ciclo da extracção, quase sempre finalizado com amálgama, inclui ainda a refinação, quando o ouro contém impurezas, que podem ser eliminadas por copelação, por via química (pela acção do cloro ou do ácido sulfúrico) ou por electrólise

Aplicações do ouro
O ouro, que pode ser encontrado em forma relativamente pura na Natureza, tornou-se, devido à singularidade das suas propriedades físicas, o mais apreciado dos metais, muito utilizado, desde a Antiguidade, em joalharias, ourivesarias e decoração.

·         Em joalharias, o ouro é geralmente empregue em ligas com prata e cobre (ouro amarelo), com níquel (ouro branco), paládio ou platina
·         O ouro puro diz-se ouro fino e a liga com menor teor de ouro é chamada de ouro baixo;
·         O ouro é classificado por quilate, sendo que 24 quilates correspondem ao ouro puro. Uma liga de 12 quilates contém cinqüenta por cento de ouro;
·         Quando os quilates são estipulados por lei, diz-se que o ouro é de lei.

Devido à sua elevada condutibilidade eléctrica e resistência a agentes corrosivos, o ouro é empregue em:
·         Indústrias artificiais para controlo da temperatura;
·         Visores dos trajes espaciais, como proteção;
·         Janelas dos grandes edifícios comerciais para reduzirem a necessidade de ar condicionado;
·         Adorno de fachadas.
Na área da saúde, o ouro tem aplicação:
·         Em odontologia, para obturação;

·         Na cintilografia do fígado (ouro radioactivo).
Mais de metade da produção mundial de ouro é adquirida pelos bancos centrais de todos os países para construir reserva monetária.
Além disso, o ouro pode ser utilizado para cobrir diferenças nas balanças de pagamentos dos diferentes países.

Prata (Ag)
Ocorrência
A prata é um elemento químico puro, metálico, que no estado natural se apresenta branco e brilhante. Na Tabela Periódica dos elementos, pertence ao grupo dos metais de transição, enquadrada na família do cobre e do ouro. O seu símbolo químico, Ag, deriva de argentum (prata, em latim).

A prata nativa aflora em superfícies rochosas, às vezes em filões de grande massa e riqueza. Encontra-se principalmente na argentite, bromargirite, cerergirite, proustite e galena (sulfureto de chumbo). Todas as galenas contêm entre 0,01 e 0,05% de prata, mas só recebem o nome de argentíferas quando o seu teor supera 0,5%.
Obtenção
A prata obtém-se pelos mesmos processos que o ouro.
Aplicações da prata

A prata é um material nobre, mais duro que o ouro e mais mole que o cobre, tendo, no estado metálico, amplo emprego em:
·         Confecção de jóias, moedas e medalhas;

·         Objectos de culto;
·         Objectos de adorno.
Nas ligas com o cobre, o que lhe confere maior dureza, é usada na produção de moedas.
Na indústria é utilizada:
·         No fabrico de material de laboratório, como cápsulas, pinças e cadinhos;
·         Para espelhar vidros;
·         Para pratear utensílios.
A partir do metal, produzem-se sais de prata, com variadas aplicações em análise química e no fabrico de películas sensíveis para a fotografia e radiografia.
·         O brometo de prata é aplicado especialmente em fotografia, no fabrico de placas de gelatina e papel fotográfico.
·         O cloreto de prata é usado no fabrico de papel fotográfico e na preparação da chamada prata molecular.
·         O nitrato de prata é usado na preparação de grande número de compostos, em fotografia, espelhagem e análise química. Na medicina, o nitrato de prata fundido com nitrato de potássio é aplicado na cauterização de tecidos esponjosos e na preparação de muitos produtos farmacêuticos, pois as suas propriedades oxidantes tornam-no útil como desinfectante.

Cobre (Cu)
Ocorrência
Apesar de ser um dos metais menos abundantes na crosta terrestre, é de fácil obtenção, apesar de muito trabalhosa, devido à baixa concentração do metal nos minerais.

Só se considera economicamente viável a sua extracção de um mineral quando aparece em quantidades superiores a 0,5% de cobre e muito rentável a partir de 2,5%.

O cobre nativo só acompanha os seus minerais em bolsas que afloram na superfície, podendo a sua exploração ser a céu aberto.

Geralmente, na capa superficial são encontrados em pequenas quantidades minerais oxidados (cuprite) junto ao cobre nativo, o que explica a sua utilização milenar, já que o metal podia facilmente ser extraído em fornos de fossa.

Na continuação, por debaixo do nível freático, são encontradas as calcosine (S2Cu) e coveline (SCu) e, finalmente, a calcopirite (S2FeCu), cuja exploração é mais rentável que as anteriores. Acompanhando estes minerais, encontram-se outros, como a bornite (Cu5FeS4), os cobres cinzas, os carbonetos azurite e malaquite, que formam massas importantes nas minas de cobre por serem as formas normalmente derivadas dos sufuretos.

Obtenção
Muitos metais importantes, como já se referiu, ocorrem na Natureza combinados com o enxofre, na forma de sulfuretos, como a calcopirite; entre aqueles incluem-se o cádmio, o cobalto, o cobre, o chumbo, o molibdênio, o níquel, a prata e o zinco.

A maior parte dos sulfuretos é condutora de electricidade, o que permite a ocorrência de reacções electroquímicas na interface sólido/solução.

Antes de se submeter aos diversos tratamentos térmicos, os minérios são submetidos a uma preparação mecânica que tem por objectivo enriquecer aqueles, eliminando a ganga, isto é, todos os elementos não contendo metal ou em quantidade insuficiente para merecer tratamento térmico. Entre estas operações, citam-se a moagem, a lavaem e a flotação.
Para se obter, por exemplo, um cobre muito puron(refinaçaão), recorre_se à electrólise:

·         O ânodo (+) é uma massa impura de cobre;
·         O cátodo (-) é cobre puro;
·         O electrólito é o ácido sulfúrico.
As impurezas caem do ânodo durante a electrólise.

No ânodo → Cu(s) → Cu2+(aq) + 2 e-
No cátodo → Cu2+(aq) + 2 e- → Cu(s)
À medida que os ânodos se dissolvem, os cátodos, onde o cobre puro se de deposita, crescem de tamahno.

As impurezas metálicas que são mais reactivas que o cobre são oxidantes no ânodo, mas não se depositam no cátodo, porque os seus potenciais-padrões são mais negativos que do iaô Cu.
No entanto, os metais menos reactivos não são oxidados no ânodo, sendo recolhidos na parte inferior do ânodo como lama, que é posteriormente processada para recuperar os metais mais valiosos, como a prata e o ouro.

Aplicações
A principal aplicação do cobre (Cu) é como material condutor (fios e cabos), destino de aproximadamente 45% do consumo anual de cobre (transmissão de energia, geradores, fios e cabos telegráficos, telefones, iluminação, e outros.).
Outros usos são:

  • ·         Tubos de condensadores e encanamentos;
  • ·         Electoímanes;
  • ·         Motores elécticos;
  • ·         Interruptores e relés, tubos de vácuo e magnetrões de fornos microondas;
  • ·         Cunhagem de moedas (com o níquel industrial);
  • ·         Na agricultura – na purificação da água e como conservante de madeira.

Quando associado a outros metais, os óxidos de cobre formam materiais supercondutores.
Os seus sais são utilizados na agricultura como fungicidas.
As ligas com outros metais têm grande importância comercial (principalmente as feitas com o estanho e o zinco, originando o bronze e o latão, respectivamente), embora o seu uso seja muito freqüente na forma pura.

Principais indústrias metalúrgicas de Moçambique
O desenvolvimento da indústria metalúrgica está a dar os primeiros passos, sendo um exemplo disso a empresa da Companhia Mozal de alumínio.

Objectivos do sector mineiro e outros

·         Garantir a prospecção, pesquisa e extracção dos recursos minerais de um modo sustentável;
·         Incrementar a actividade de mineração de uma maneira sustentável;
·         Reforçar a capacidade de promoção de investimento, licenciar e monitorizar as actividades de extracção;
·         Expandir o investimento privado, mas seguindo boas práticas, sob o ponto de vista social e ambiental;
·         Incrementar a participação de companhias privadas moçambicanas.


Potencialidades

Recurso
Potencial × 106 t
Recurso
Potencial × 106 t
Apatite
274,00
Feldspatos
12,00
Asbestos
0,50
Fluorites
1,45
Bauxite
6,13
Ouro
0,05
Bentonite
8,45
Grafite
40,00
Calário
18,30
Minério de ferro
254,00
Carvão
15 835,00
Caulino
4,40
Materiais de construção
5 000,00
Minério de titânio
348,00
Cobre
0,38
Minério de titânio
7,50
Diatomites
3,00
Sílica
11,40

Áreas potenciais
·         Areias pesadas;
·         Carvão
·         Metais básicos;
·         Grafites;
·         Carbonatos;
·         Pegmatites;
·         Rochas ornamentais;
·         Diamantes;
·         Ouro;
·         Minerais industriais.

Alguns materiais – sua localização
·         Grafites

·         Metais básicos e preciosos

  • Ø  Inchope, Canxixe e Gorongoza, província de Sofala;
  • Ø  Províncias de Manica, Tete, Nampula, Cabo Delgado e Niassa;
  • Ø  Mina de grafite de Ancuabe, província de Cabo Delgado.


·         Tântalo-nióbio

  • Ø  Projecto de reabilitação das minas de Muiane e Morrua;
  • Ø  Mina de Naquissupa;
  • Ø  Pegmatites de Mutala e Alto Ligonha.


·         Diamantes

  • Ø  Kimberlitos de Maniamba, bacia de Metangula, província de Niassa;
  • Ø  Vale do Limpopo, província de Gaza;
  • Ø  Regiões de Doa/Mutarara/Tambarra, província de Tete;
  • Ø  Pafuri, Moamba e fronteira com a Suazilândia.


·         Ouro

  • Ø  Manica, Mavita-Rotanda, província de Manica;
  • Ø  Áreas de Inchope-Gorongoza, província de Sofala;
  • Ø  Região de Lago, província de Niassa;
  • Ø  Fingoe, Muende, Chifumbaze, Missale, Mulolera, Changa-Luenha, Cazula, província de Tete;
  • Ø  Alto Ligonha, província de Zambézia;
  • Ø  Namuno, província de Cabo Delgado;
  • Ø  Morrupula, Moma e Chalaua, província de Nampula.


·         Minerais industriais
§  Fluorites

  • Ø  Jazigos de Maringue, Canxixe, província de Sofala;
  • Ø  Jazigo de Djanguire, Monte Muambe, província de Tete.

  Caulino
Ø  Jazigos de Muiane, província de Zambézia;
Ø  Jazigo de Boa Esperança, Ribaue, província de Nampula.

 Fosfatos

  • Ø  Jazigo de Evate, província de Nampula;
  • Ø  Monte Moande, província de Tete;
  • Ø  Monte Xiluvo, província de Manica.

§  Bauxite

  • Ø  Penhalonga, província de Manica;
  • Ø  Milange, província de Zambézia


Empresas
Tete
·         Manica Minerals (Moçambique) – metais básicos e ouro;
·         Capitol Resources, Lda. – metais básicos e ouro;
·         Rio Doce Moçambicano – carvão, metais básicos e ouro.
·         Changara Investimentos, Lda. – carvão, metais básicos e ouro.

Niassa
·         Omegacorp Minerals – Pb, Bi, Cu;
·         Rovuma Resources, Lda. – Pb, Cu, Sn, Ni;
·         Mozambique Minerals, Ldt. – carvão, diamantes.

Gestão de resíduos sólidos (sucatas) e o ambiente
A reciclagem dos metais
Para se compreender como a reciclagem é importante, é necessário “reciclar” o conceito que se tem de lixo, deixando de olhar como uma coisa suja e inútil; para isso é, então, necessário:

·         Perceber que os desperdícios devem ser separados e que essa separação pode ser realizada de diversas maneiras, sendo a mais simples a separação em lixo orgânico e inorgânico (lixo molhado/lixo seco);

·         Conhecer o tempo de decomposição dos materiais que constituem os desperdícios.

Material
Tempo de decomposição
Papel
De 3 a 6 meses
Tecido de algodão
De 6 meses a 1 ano
Filtro de cigarro
5 anos
Madeira pintada
13 anos
Nylon
Mais de 30 anos
Plástico
Mais de 100 anos
Metal
Mais de 100 anos
Borracha
Tempo indeterminado
Vidro
Mais de 1 milhão de anos

Quando um metal chega ao momento de ser reciclado, significa que chegou ao fim do seu ciclo; tudo, então, vai recomeçar.
Os metais já se reciclam há muitos anos. Habitualmente, os metais recicláveis são classificados em três grupos:

·         Metais ferrosos, que contêm ferro, são baratos e são reciclados em larga escala;

·         Metais não ferrosos, que posem ser metais de transição (cobre e ligas de cobre) ou metais cinzentos (chumbo, zinco, estanho, alumínio).
O cobre, por exemplo, é um material perfeito para ser reciclado.

Tem valor comercial, é fácil de identificar e de limpar. O alumínio é outro material não ferroso importante: é barato e muito fácil de trabalhar;

·         Metais preciosos, como a prata e o ouro, que são também recicláveis.

 A prata, por exemplo, pode ser recuperada a partir das radiografias, porque ambos os lados são usados na revelação.

A reciclagem dos metais está a tornar-se cada vez mais importante porque se poupa energia e se diminui a quantidade de desperdícios metálicos no ambiente. O alumínio, por exemplo, é um metal em cuja reciclagem se gasta apenas 5% da energia que se gastaria para produzir alumínio a partir do minério.

Mas a reutilização das ligas metálicas representa uma diminuição da qualidade, já que a maior parte dos metais reciclados termina em ligas para moldes. Têm-se desenvolvido tecnologias para melhorar a qualidade do metal fundido pela remoção de elementos críticos da liga, embora esta situação seja muito difícil de efctuar; contudo, é muitas vezes necessária para aplicações especiais.
  
Ligas metálicas e suas aplicações
Uma liga metálica é uma solução sólida que se obtém por arrefecimento de uma mistura homogênea fundida de um metal com um ou mais elementos, metálicos ou não metálicos.

A liga tem uma aparência exterior homogênea, não podendo os seus componentes ser separados por processos físicos.

As ligas representam uma “família” enorme de materiais produzidos com uma gama extensa de propriedades que encontram grande aplicação na sociedade tecnológica actual devido à possibilidade de se poder controlar a sua composição e, consequentemente, “desenhar” as suas propriedades.

Constituentes principais das ligas metálicas
As ligas metálicas mais vulgares incluem os metais situados no bloco d da tabela periódica e o alumínio.

No entanto, como já se referiu há ligas formadas somente de metais e outras formadas de metais e semi-metais (borro, silício, arsênio, antimônio) e de metais e não metais (carbono e fósforo).

Estas ligas possuem algumas características que os metais “puros” não apresentam e por isso são produzidas e muito utilizadas como, por exemplo:

Propriedades
Diminuição do ponto de fusão
Aumento da dureza
Aumento da resistência mecânica
Exemplo
Liga de metal fusível
Liga de ouro em joalharia
Aço
Constituição
Bi, Pb, Sn e Cd
Au, Ag e Cu
Fe e C
Utilização
Fusíveis eléctricos
Manufactura de jóias e peças de ornamentação
Fábrico de peças para estruturas metálicas

Principais ligas metálicas e suas aplicações

Ligas metálicas
composição
Utilização
Amálgamas (ligas com Hg)
Hg + Ag + Sn
Tratamento de obturações (antigamente) extracção de metais dos seus minérios por combinação com Hg
Bronze
Cu + Sn como base e outros elementos como Zn, Al, Sn, Ni, P e o Pb
Sinos, moedas, estátuas
Latão
Cu + Zn
Tubos, radiadores, armas, cartuchos e torneiras
Solda
Pb + Sn
Usada por funileiros e electrecistas
Ácido inoxidável
Fe + C + Cr + Ni
Talheres, utensílios de cozinha, peças de carro, brocas
Cuproníquel
Cu + Ni com um máximo de 30% de Ni
Moedas, condensadores e equipamentos de destilação
Constantan
Cerca de 60% de cobre e 40% de níquel
Usado em termopares, já que a sua resistência não varia ou varia pouco com a temperatura.


Conclusão

Durante a realização deste trabalho percebi que os metais: Alumínio (Al), Ferro (Fe), Ouro (Au), Zinco (Zn) e Cobre (Cu), são muito imortantes na indústria Moçambicana.
Também entendi a sua ocorrência, obtenção e aplicações.
Pude perceber que esses metais são muito aplicados em várias indústrias Moçambicanas para o fabrico de vários condimentos ou produtos.
Foi muito bo ter realizado este trabalho pois já sei onde ocorre o alumínio, o o ferro, o ouro, o cobre e zinco, sua obtenção e suas aplicações.


Bibliografia

Teresa Sobrinho Simões, M. A. (2010). QUÍMICA – 11.ª CLASSE. Maputo: Plural Editores Moçambique.