No presente trabalho, aborda-se assuntos acerca do basquetebol onde falaremos do seu historial, sua instalação e material, regras do jogo, tipos de passe e remate, forma de recepção da bola, finta.
     O basquetebol é uma modalidade desportiva e colectiva praticada por duas equipas com 5 jogadores e 5 suplentes, tendo o objectivo de introduzir a bola no cesto da equipa adversária e evitar que ela entre no seu próprio cesto.






     Tudo começou com uma cesta de pêssegos em Dezembro de 1891, o professor de educação física canadense James Naismith em Massachusetts, Estados Unidos, recebeu uma tarefa de seu director: criar um desporto que os alunos pudessem praticar em um local fechado, pois o inverno costumava ser muito rigoroso, o que impedia a prática do beisebol e do futebol americano.
     
James Naismith logo descartou um jogo que utilizasse os pés ou com muito contacto físico, pois poderiam se tornar muito violentos devido às características de um ginásio, local fechado e com piso de madeira. Logo escreveu as treze regras básicas do jogo e pendurou um cesto de pêssegos a uma altura que julgou adequada: 3,05 metros, altura que se mantém até hoje; já a quadra possuía, aproximadamente, metade do tamanho da actual.

     Em contraste com as redes de basquete moderno, esta cesta de pêssegos manteve a sua parte inferior, e as bolas tinham que ser retiradas manualmente após cada cesta ou ponto marcado, o que provou ser ineficaz. Dessa forma, um buraco foi perfurado no fundo da cesta, permitindo que as bolas fossem retiradas a cada vez que se marcasse com uma longa vara. Os cestos de pêssegos foram utilizados até 1906, quando foram finalmente substituídos por aros de metal com encosto. Uma outra alteração foi feita logo cedo, de forma que a bola apenas passasse pela cesta, abrindo caminho para o jogo que conhecemos hoje.

    Uma bola de futebol foi usada para acertar as cestas. Sempre que uma pessoa arremessava uma bola na cesta, sua equipe ganharia um ponto. A equipe com o maior número de pontos ganhava o jogo. As cestas foram originalmente pregadas ao balcão do mezanino da quadra de jogo, mas isto se provou impraticável quando os espectadores no balcão começaram a interferir nos arremessos. O encosto foi introduzido para evitar essa interferência, que teve o efeito adicional de permitir rebotes. 
     Foi somente no começo do século XX que o basquete começou a se espalhar no mundo. Ligas e federações começaram a organizar campeonatos e o desporto, de tão popular, começou a fazer parte dos jogos olímpicos. Actualmente, o basquetebol é muito praticado no mundo todo.

     O Basquetebol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas constituídas por 5 jogadores titulares e 5 jogadores suplentes, cujo objectivo é introduzir a bola no cesto da equipa adversária e, simultaneamente, evitar que esta seja introduzida no próprio cesto, respeitando as regras do jogo. O nome provem do inglês basketball, que significa bola na cesta. É um dos desportos mais populares do mundo.

     A equipa que obtiver mais pontos no fim do jogo vence. Em caso de empate, excepto em situações especiais, há que realizar um ou vários prolongamentos de cinco minutos para se encontrar o vencedor.


     Uma partida de basquetebol tem a duração de 40 minutos divididos por 4 períodos de 10 minutos. O cronómetro só avança quando a bola se encontra em jogo, isto é, sempre que o árbitro interrompe o jogo, o tempo é parado de imediato. Entre o 1º e o 2º período e entre o 3º e 4º período existe uma paragem de 2 minutos. A meio do jogo existe um intervalo de 10 minutos.

     O recinto oficial de jogo é uma superfície rectangular com 28 metros de comprimento (linhas laterais) e 15 metros de largura (linhas finais). Junto a cada linha final está colocada uma tabela, onde se fixa o cesto, que se encontra colocado a 3,05 metros do solo.



     A equipa de arbitragem é constituída por 2 árbitros. Existem ainda 3 oficiais de mesa: 1 marcador que regista os pontos obtidos pelas equipas e as faltas, 1 cronometrista que controla o tempo de jogo e os descontos de tempo, e 1 operador de 24 segundos.


     Cada equipa é constituída por 5 jogadores titulares e 5 jogadores suplentes. Cada jogador, conforme a zona do campo e as funções que ocupa, tem uma designação: Base (1); Extremo alto (2 e 3); Poste (4 e 5).

     A bola é esférica, de cabedal, borracha ou material sintético. O peso situa-se entre 567 e 650g e o perímetro deve estar compreendido entre os 75cm e os 78cm.

     Início do jogo: o jogo inicia com um lançamento de bola ao ar, realizado pelo árbitro, no círculo central, entre dois jogadores adversários que, saltando, tentam tocar a bola para os companheiros de equipa. No lançamento de bola ao ar, deve-se observar o seguinte:

1        A bola só pode ser tocada depois de atingir o ponto mais alto;
2        Nenhum dos saltadores pode agarrar a bola;
3        Os restantes jogadores têm que estar fora do círculo central.

     Pontuação: os pontos são obtidos através de lançamentos de campo e de lances livres. Os lançamentos de campo são os que se efectuam no decorrer normal do jogo e em qualquer parte do campo, enquanto os lances livres são executados na linha de lance livre, com o jogo parado. A bola tem de entrar no cesto pela sua parte superior, passando através da rede. Observa-se o seguinte:

1        Lançamento convertido de qualquer local atrás da linha de 6,25 m – 3 pontos;
2        Lançamento convertido de qualquer local à frente da linha de 6,25 m – 2 pontos;
3        Lance livre convertido – 1 ponto.

     Como se pode jogar a bola: a bola é jogada exclusivamente com as mãos, podendo ser passada ou driblada em qualquer direcção, excepto do meio campo ofensivo para o meio campo defensivo. Não é permitido socar a bola. Com a bola segura nas mãos, apenas é permitido realizar dois apoios. Na acção de drible não é permitido:

1        Bater a bola com as duas mãos simultaneamente.
2        Driblar, controlar a bola com as duas mãos e voltar a driblar.
3        Acompanhar a bola com a mão, no momento do drible (transporte).
     Bola fora: as linhas que delimitam o campo não fazem parte deste. A bola está fora quando:
1        Toca as linhas laterais, finais ou o solo para além delas;
2        Um jogador de posse de bola pisa as linhas limite do campo.

     Faltas: um jogador não pode agarrar, empurrar, nem impedir o movimento de um adversário com os braços ou com as pernas. Quando existe uma falta sobre um jogador que não está em acto de lançamento, o jogo recomeça com reposição de bola na linha mais próxima do local de falta, seja na linha lateral ou na final, excepto directamente atrás da tabela. Quando existe uma falta cometida sobre um jogador que está em acto de lançamento efectua-se o seguinte:

1        Quando o cesto foi convertido, este é válido, e o jogador que sofreu a falta tem direito a um lance livre.
2        Quando o cesto não foi convertido, o jogador que sofreu a falta tem direito a efectuar dois ou três lances livres, conforme se trate, respectivamente, de uma tentativa de lançamento de dois ou três pontos.

Ø  Faltas Pessoais: é a infracção que um jogador comete sobre um adversário, contacto pessoal. Esta verifica-se quando um jogador:

1        Faz obstrução, impedindo a progressão de um adversário que está na posse da bola;
2        Segura um adversário, não permitindo a sua liberdade de movimentos;
3        Entra em contacto, com qualquer parte do corpo (toca, empurra, agarra), impedindo a progressão do jogador adversário com a bola.

Ø  Faltas Técnicas: um jogador não deve ter atitudes anti-desportivas ou desprezar as advertências dos árbitros, tais como:

1        Dirigir-se desrespeitosamente aos árbitros ou tocar-lhes, utilizando linguagem ou gestos que possam constituir ofensa;

2        Não levantar imediatamente o braço quando lhe é marcada uma falta pessoal.

     Estas faltas dão origem à marcação de 2 lances livres contra a equipa do jogador faltoso, mais a posse de bola.

Ø  Faltas anti-desportivas: é a falta cometida por um jogador deliberadamente, tendo carácter notoriamente anti-desportivo.

1        O jogador que cometer cinco faltas pessoais ou técnicas tem de abandonar o jogo (podendo ser substituído por um companheiro).

2        Quando uma equipa atinge cinco faltas, pessoais ou técnicas, em cada período, todas as faltas seguintes dos seus jogadores serão penalizadas com dois lançamentos livres, executados pela equipa adversária.

     Bola Presa: quando a bola é segura simultaneamente por um jogador de cada equipa e não se define a sua posse, os árbitros assinalarão bola presa. O jogo recomeça com bola ao ar no círculo mais próximo do local onde se verificou bola presa.

     Substituições: qualquer jogador pode ser substituído ou substituir um companheiro de equipa, em qualquer período do jogo. No entanto, a substituição só poderá realizar-se quando o jogo estiver interrompido e com conhecimento dos árbitros.

     Reposição da bola na linha lateral ou final: o jogador não pode pisar as linhas durante a reposição da bola. Ao repor a bola pela linha final ou lateral, após violação ou falta, não pode deslocar-se ao longo desta e dispõe de 5 segundos para efectuar a reposição. A reposição nas linhas laterais é efectuada da seguinte forma:

1.      O jogador que executa o passe deve ter os pés fora do campo, atrás das linhas laterais;
2.      A bola deve ser reposta no local onde saiu, após o árbitro tocar na bola;
3.      Qualquer defensor deve estar a um metro do jogador que repõe a bola.


     A reposição da bola nas linhas finais é feita da seguinte forma:
1.      Após um cesto convertido da equipa adversária, a bola é reposta da linha final
2.      O jogador que vai repor a bola deve ter os pés fora do campo, atrás da linha final;
3.      O jogador pode deslocar-se ao longo da linha final para fazer a reposição

     Na reposição pela linha final, após cesto convertido, o jogador pode movimentar-se sem restrições.

     Lance Livre: nenhum jogador pode entrar na área restritiva antes da bola ter saído da mão do jogador. Se isso eventualmente acontecer e se o lance livre não tiver sido convertido, este é repetido.

     Descontos de Tempo: durante o jogo, cada treinador tem direito a solicitar um desconto de tempo, de 1 minuto, em cada período; com excepção do último período em que tem direito a dois.

     Regra dos 3 segundos: nenhum jogador pode permanecer no interior da área restritiva mais de 3 segundos quando a sua equipa está na posse de bola

     Regra dos 5 segundos: é o tempo que um jogador pode manter a posse de bola sem a movimentar. Esta regra também se aplica na reposição de bola em campo.

     Regra dos 8 segundos: a equipa com a posse de bola não pode demorar mais de 8 segundos a passar da zona de defesa para a zona de ataque, isto é, a transpor a linha central.

     Regra dos 24 segundos: uma equipa com posse de bola dispõe de 24 segundos para lançar ao cesto. Uma vez que o lançamento tenha levado a bola a tocar no aro ou na tabela, o tempo volta aos zero, tendo essa equipa, caso tome posse da bola, mais 24 segundos para o ataque.

     Regra dos dois passos: não é permitido realizar mais de dois passos com a bola nas mãos, que deve ser passada ou lançada antes de ocorrer o terceiro contacto do pé com o solo.

     O passe é um movimento fundamental no basquetebol, é a ponte que liga vários jogadores e que torna a equipa mais eficiente. Podemos distinguir vários tipos de passes, entre eles: o passe de peito, passe picado, passe por cima com duas mãos e o passe de ombro.



     Com a bola à altura do peito, esta é arremessada frontalmente na direcção ao alvo. Neste movimento, os polegares é que darão a força ao passe e as palmas das mãos deverão apontar para fora no final do gesto técnico. Para a execução do passe de peito, deve-se efectuar o seguinte:

1.      Partir da posição básica ofensiva;
2.      Segurar a bola com as duas mãos a frente do peito e os cotovelos junto ao tronco;
3.      Estender completamente os braços e dedos na direcção do peito do companheiro e as palmas das mãos deverão virar para fora, ao mesmo tempo um passo para frente;




     Nesse tipo de passe a bola deve bater no chão antes de chegar ao companheiro de equipa. Para executar o passe, é necessário controlar a bola com as duas mãos e fazer a bola ressaltar no chão, antes de chegar ao teu companheiro. Esse passe é utilizado quando o adversário está colocado entre o jogador que passa e o que recebe a bola.

1.      Muito semelhante ao passe de peito, tendo em conta que o alvo inicial é o solo;
2.      O ressalto da bola terá um objectivo comum ao do passe de peito, isto é, a mão alvo do colega ou as zonas próximas do peito.



Ø  Passe de ombro
     É utilizado em situações em que solicitam um passe comprido. Para sua execução, efectua-se o seguinte:
1.      Efectuar com uma mão;
2.      Existe uma extensão do membro superior que executa o passe, lateralmente;
3.      Propulsão executada apenas pelo pulso e dedos.







     É usado quando existe dois adversários entre dois jogadores da mesma equipa. Para efectuar o passe por cima da cabeça, deve-se:
1.      Elevar os braços acima da cabeça;
2.      Avançar um dos apoios;
3.      Efectuar o passe com o movimento dos pulsos e dos dedos.







     Para a recepção da bola,
1.      Olhar dirigido para a bola;
2.      Movimento ao encontro da bola com os antebraços em extensão completa;
3.      Mãos em forma de concha com os dedos bem afastados;





     Um drible é o movimento de uma bola viva provocado por um jogador que detém essa bola e lança, bate ou rola a bola no solo ou deliberadamente lança-a contra a tabela. Podemos distinguir dois tipos de dribles: o drible de protecção e o drible de progressão.




    É usado para proteger a bola quando um adversário se aproxima. Normalmente esse drible é executado dando cobertura a bola com o próprio corpo, com a mão do lado contrário do posicionamento do adversário. Para a sua execução, observa-se o seguinte:
1.      Não olhar a bola;
2.      Pernas flectidas;
3.      Mão empurra a bola para o solo, acompanhando-a;
4.      Driblar com a mão mais afastada do defensor;
5.      Altura do ressalto da bola abaixo da cintura;
6.      Braço livre protege a bola;
7.      Deslocamento por deslizamento, sem cruzar os pés, e utilizando uma das pernas para proteger a bola.


     É usado sem o adversário próximo, avança-se driblando com a cabeça levantada e o olhar em frente, permitindo que o jogador tenha uma visão geral do jogo, a bola deve ser empurrada para frente e ao lado do pé flectindo com os dedos afastados e estendendo a mão e a bola não pode ultrapassar a cintura. Para a sua execução, observa-se:
1.      O que toca na bola e a controla são os dedos;
2.      Driblar com a mão mais afastada do defensor;
3.      Bola impulsionada para um ponto do solo em frente, no sentido do deslocamento;
4.      Altura do ressalto da bola acima do nível da cintura;
5.      Os dedos contactam a bola por cima.

     Os lançamentos finalizam a acção atacante e para marcar pontos é preciso saber marcar. O lançamento pode ser feito perto do cesto, afastado do cesto ou ainda em corrida com uma ou com as duas mãos olhando sempre para o cesto. Podemos distinguir dois tipos de lançamentos:


     É muito usado na execução do lance livre. Para a execução do lançamento com apoio, observa-se o seguinte:
1.      A bola deve subir na vertical e de forma rectilínea, sem desvios laterais, sempre junto ao corpo e segura com as duas mãos;
2.      Na subida da bola deve realizar uma pequena rotação da mão que lança, de forma a ficar por baixo da bola (cotovelo bem por baixo da bola) e a mão de apoio lateralmente;
3.      A mão que lança deve manter os dedos afastados, extensão completa do pulso e a palma da mão não deve tocar na bola;
4.      A mão de apoio, deve estar numa posição lateral face à bola, dedos afastados e a apontar para cima;
5.      Extensão do braço lançador para cima e ligeiramente para a frente, com a extensão simultânea dos membros inferiores;
6.      Flexão final do pulso e dedos.



     Este lançamento é de curta distância e é executado lateralmente. Para a sua execução, é necessário:
1.      O primeiro passo é normalmente mais longo e o segundo que antecede o salto, é mais curto;
2.      O primeiro apoio com o pé do lado da mão que lança, o segundo com o pé contrário;
3.      A partir do momento em que se realiza o segundo apoio, deve-se fixar o ponto onde se vai lançar a bola na tabela;
4.      A trajectória da bola até ao lançamento deverá ser feita do lado contrário à posição do defesa;
5.      Bola segura com as duas mãos e junto à zona peitoral;
6.      A bola sobe até à posição de lançamento com a ajuda da perna de balanço (flectida pelo joelho), que proporciona maior impulsão vertical;
7.      O movimento das mãos na parte final do lançamento poderá ser efectuado como no lançamento parado.

Antes da conquista da bola:
1.      Procurar prever a trajectória da bola, nomeadamente o local da sua queda;
2.      Tentar ganhar uma posição da vantagem ao defesa;
3.      Partir para o ressalto ofensivo uma fracção mínima de tempo antes da bola sair do jogador que lança;
4.      Antecipação em relação aos defesas;
5.      Elevação dos braços à medida que se aproxima do cesto;
6.      Contornar possíveis bloqueios.


Conquista da bola:
1.      Realização de “tapinha” (concretização do ressalto ofensivo ganho, através de lançamento)
2.      Mão aberta, dedos afastados e semi-rígidos, para poder controlar a bola;
3.      Para chegar mais alto, existe a vantagem de elevar apenas um braço;
4.      Tocar na bola através de um pequeno movimento de flexão do pulso.
5.      Controlo da bola num só tempo com as duas mãos
6.      Controlo da bola em dois tempos
7.      Chegar à bola apenas com uma mão, trazendo-a de seguida para baixo até ela ficar segura com as duas mãos;
8.      Não trazer a bola para baixo da cintura (mantê-la ao nível dos ombros);
9.      Existe vantagem em colocar uma mão por debaixo da bola para evitar o desarme durante o trajecto descendente.


     Ganhar Posição: a partir do lançamento o objectivo dos defensores é o de ganhar a posição e impedir a penetração dos atacantes; Não ficar a olhar para a bola.
     Bloquear: cada defensor tem que bloquear imediatamente o atacante respectivo.
     Saltar para a bola, agarrá-la: Agarrar a bola com duas mãos no ponto mais alto da sua trajectória. No caso de entrar em contacto com a bola, só com uma mão, trazê-la de imediato para o controlo das duas mãos.
     Proteger a bola: agarrar a bola com firmeza e protegê-la; Não baixar a bola, mantê-la à frente do corpo, longe do adversário mais próximo.
     Primeiro passe: no momento da queda, quem ganha o ressalto defensivo tem que estar pronto para realizar o primeiro passe (corpo rodado, bola protegida, ver o campo)

Conclusão
     Após a realização do trabalho, concluímos que o basquetebol é uma modalidade desportiva que é praticada por duas equipas, sendo constituídas por 5 jogadores e 5 suplentes, com o objectivo de colocar a bola no cesto adversário e evitar que ela entre no seu próprio cesto. O basquetebol é originário dos Estados Unidos da América em Massachusetts, criado por James Naismith em Dezembro de 1891.
     Este desporto foi criado para suprir o inverno rigoroso registado nos EUA, onde se praticava o beisebol e futebol americano, tendo inicialmente sido usado um cesto de pêssego e uma bola de futebol para se jogar, e sofreu modificações ao longo do tempo até as características de hoje.